home

Novo Quartel, Novo Quadro de Comando, a mesma Missão e o mesmo Rigor.

Jul 31 2012
Notícias >>
Desde sempre que as sociedades e as suas estruturas se encontram em permanente transformação e miscigenação, não só pela capacidade crítica e reflexiva de cada um de nós, mas também por força dos fatores evolutivos a nível tecnológico e medicinal, assim como por fatores políticos, ambientais e geográficos.
Ao tomarmos consciência de tal transformação, compreendemos que determinados valores basilares sofrem, também eles, acentuadas transformações que necessitam que sejam acompanhadas e entendidas.
Neste contexto surge por parte dos corpos sociais que compõem a atual direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Farejinhas uma vontade de concretizar um sonho antigo: a construção do novo quartel, obra essa que há muito é almejada e necessária, para fazer face aos novos desafios e necessidades da população.
É um projeto arrojado, tecnicamente sustentado pela legislação e, em termos arquitetónicos, devidamente integrado com o meio envolvente.
Pequenos passos têm sido gigantescos, mas é com grande orgulho e satisfação que informamos que o referido projeto da construção do novo quartel brevemente dará entrada nos respetivos serviços da Câmara Municipal de Castro Daire, a fim de ser emitido um parecer.
Partilhamos também as perspetivas dos vários alçados:   
        
        
Na qualidade de futuro Comandante desta distinta Corporação de Bombeiros Voluntários, e como cidadão que tão bem conhece a atual conjuntura económica, política e social, reconheço que é um projeto ambicioso e um pertinente desafio. Será mais uma provação em especial para a população de Farejinhas, que dadas as suas características humildes e gente de trabalho, estará mais uma vez à altura das suas responsabilidades e que hoje sente orgulho por ver nascer esta obra de apoio ao socorro das suas gentes e dos seus bens, mas também de apoio ao socorro dos seus semelhantes.
´´Dar à Memória um Presente, eis uma das boas causas do nosso tempo. Precisamos, com efeito, de ganhar consciência de que somos, no Tempo, uma passagem entre o passado e o futuro: Já fomos o Futuro do Passado e seremos um dia o Passado do Futuro. Assumir a herança, preservá-la e renová-la é a melhor forma de nos tornarmos o que somos. Sem memória não há identidade e sem identidade não há projeto.’’